Vulcabras Azaleia S.A.


Acesse o sistema de Ouvidoria e Denúncia da Solidus clicando aqui


À procura de valor

Investimento de curto prazo é a moda das bolsas nos últimos tempos. Apesar disso, nosso mais forte conselho para os investidores é: fique de fora da especulação e se foque em valor. A bíblia do investimento em valor é o livro Security Analysis, escrito em 1934 por Ben Graham, considerado o pai da análise fundamentalista. Caso você não saiba quem é ele, certamente deve conhecer seu mais conhecido pupilo: Warren Buffet. Seguindo os conselhos de seu livro certamente seus investimentos darão certo.

Mas o problema é que a obra não é tão simples como se imagina. Para facilitar, a escritora Janet Lowe escreveu uma obra mais acessível conhecida como “Value Investing Made Easy”, algo como “Investimento em valor de forma fácil”. A obra interpreta os ensinamentos e coloca os conceitos descritos por Graham em uma linguagem moderna e em termos do mercado de investimentos atuais.

Segundo Janet, um investidor em valor compra ações de uma empresa como se estivesse comprando a empresa inteira. Ele dá pouca atenção ao temperamento do mercado, ao clima político ou a outras condições externas. Existem três pilares nos quais o investimento em valor se apoia:

# a atitude correta (evita a especulação, seja em papéis específicos, ou no mercado como um todo)\r\n# a margem de segurança (um investidor em valor deixa uma grande margem para o caso de erro)\r\n# o valor intrínseco (se você identificar o verdadeiro valor de uma ação, certamente saberá se ela está sub ou super avaliada pelo mercado)\r\nOs passos abaixo ajudarão você a comprar um verdadeiro investimento em valor:

1) Conheça o preço pedido. Multiplique o preço de uma ação pelo número de ações da empresa. Pergunte a você mesmo: “se eu comprasse toda a companhia ela valeria todo esse dinheiro?” Compare o preço pedido ao de negócios similares e de tamanho comparáveis, os quais as ações servem para sua compra.

2) Diversifique em duas maneiras. A regra 1 pede a diversificação entre ações, bonds (títulos) ou equivalentes a bonds. Em todos casos, o investidor deveria possuir no mínimo 25% em ações e um mínimo de 25% em títulos com uma taxa de retorno garantida. Os 50% restantes devem ser divididos entre as 2 categorias, dependendo qual oferece o melhor retorno. Como regra, um investidor deveria se manter distante do mercado acionário quando o yield do lucro por ação é menor que o yield de um bom título de renda fixa. A regra 2 de diversificação de Graham requer do investidor um número suficiente de papéis. Enquanto investidores como Buffet podem ter menos de uma dúzia de ações em seu portifólio, Graham usualmente tinha 75 ou mais papéis (valor muito elevado para um portifólio atual). Tipicamente, um portifólio individual possui de 5 a 30 diferentes papéis. Quanto maior a qualidade de suas ações, menor será a quantidade de papéis necessários.


3) Procure por qualidade. Os investidores normalmente cometem 2 erros. Ou eles compram papéis de pouca qualidade que nunca terão boa performance ou adquirem papéis de boa qualidade que estão superavaliados. Companhias com bons lucros, um sólido histórico de dividendos, baixo endividamento e razoável P/L são os melhores investimentos.

4) Mire em dividendos. Um longo histórico de dividendos pagos mostra que a firma tem solidez e possui pouco risco. Papéis com crescimento duvidoso raramente pagam dividendos. Além disso, Graham percebeu que uma fraca política de dividendos prejudica os investidores de 2 formas. Não somente ficam privados de receber uma receita, como também perdem pois os papéis com baixos dividendos são geralmente negociados a preços menores no mercado. Graham diz que o melhor tratamento para acionistas é o pagamento justo e razoável de dividendos em relação aos lucros da companhia e ao verdadeiro valor da ação.

5) Relaxe. Você provavelmente não acertará o valor intrínseco de uma ação ou o mercado no ponto certo. Para isso, defina uma margem de segurança, o que lhe dará um pouco de tranqüilidade.

6) Cuidado com os números corporativos. São os números de lucros futuros que dirigem os preços das ações. Mas o investidor deve ficar atento às previsões baseadas em números correntes. Embora as regras estão mais fortes do que quando Graham investia, os lucros ainda podem ser manipulados por uma contabilidade criativa. Um investidor deve prestar atenção às reservas de caixa, às mudanças de critérios contábeis e às notas explicativas quando lê os balanços das empresas. Para estimar lucros futuros, previsões e eventos mundiais podem aparecer. Contudo, a melhor avaliação ainda continua sendo baseada nos resultados.

7) Não complique a matemática. Graham, que adorava matemática, disse que nunca viu cálculos feitos com valor de ações ou políticas de investimentos, que fossem muito além da simples aritmética ou da mais elementar álgebra. Quando cálculos se tornam complexos, pode ser um sinal de que um operador está tentando substituir teoria por experiência e dar à especulação um aspecto de investimento.

8) Seja um crítico corporativo. Embora existam locais em que acontecem tentativas para limitar os direitos dos acionistas, os investidores deveriam ser mais assertivos. Se você tem a sugerir sobre a política de dividendos, compensação de executivos ou propostas de aquisições, vá a assembléias e organize ofensivas de acionistas.

9) Paciência traz resultados. O investidor deve estar financeira e psicologicamente preparado para a possibilidade de resultados fracos no curto-prazo. Graham diz que o mais importante é não seguir a multidão. Existem dois requisitos para o sucesso em bolsa. Número 1, pense corretamente; e Número 2, pense independentemente.

Dúvidas sobre algum termo ou expressão? Consulte nosso dicionário:

Procurar:

Topo


Página anterior

Indique esta página

Versão para impressão