Acesse o sistema de Ouvidoria e Denúncia da Solidus clicando aqui


As várias faces do RISCO de investimento

Operando com muita volatilidade, os mercados financeiros oferecem muitos riscos aos investidores. Mas em geral, os investidores simplificam o risco: “Qual a chance de eu perder meu dinheiro?”. Contudo, o risco é muito mais complicado do que o simples medo de que um investimento pode perder dinheiro. No difícil mundo financeiro atual, existem vários tipos diferentes de risco, com os quais você deveria estar familiarizado antes de selecionar uma opção de investimento. Além disso, cada ativo pode carregar um tipo de risco. Atualmente, a habilidade de distinguir os vários tipos de risco e associá-los com os potenciais efeitos no investimento é um fator decisivo no sucesso ou fracasso de um portfólio no longo prazo.

Confira abaixo os tipos de riscos:

Risco do Negócio: existe um risco de que o negócio subjacente aos títulos negociados se torne obsoleto, superado pelos concorrentes ou mal administrado. Como não é possível eliminar esse risco completamente, pode-se reduzi-lo, investindo em ativos administrados com competência, honestidade e experiência. Escolhendo negócios relativamente simples, elimina-se o risco de deter uma ação de um negócio que não se compreende. É o que, por exemplo, o mega-investidor Warren Buffet faz.

Risco da Inflação: este é o risco de que o retorno de um investimento não vai conseguir acompanhar ou superar a inflação, causando perda do poder aquisitivo com o tempo. O peso da inflação nunca pode ser ignorado. Mesmo o dólar pode ter seu poder de compra reduzido pela metade em 18 anos, com uma inflação anual de 4%. Procurar por investimento em que um crescimento de lucratividade seja maior que a inflação é a única maneira de reduzir o risco. Ações de qualidade que pagam dividendos crescentes são boas opções.

Risco de Crédito: qual a probabilidade de que o investimento vai pagar o principal e os juros devidos? Esse risco é relacionado ao risco do negócio, mais precisamente com a qualidade de crédito da companhia. Muitos negócios têm um fluxo de caixa maior e portanto têm mais facilidade de pagar suas dívidas. Este é um tipo de risco muito quantificado por agências como Moody´s, Fitch, S&P, etc.

Risco de Liquidez: você consegue se desfazer de um ativo sem ter que se sujeitar a um preço muito baixo? Muitos investimentos como ações de pequenas empresas, títulos municipais e bonds corporativos são mais difíceis de vender que os outros títulos, pois não possuem demanda. Como resultado, o título corre o risco de não ser vendido a um preço justo, particularmente quando o mercado financeiro está em crise. A maneira de reduzir esse risco é investir em companhias cujo volume de negócios ativos seja maior do que a posição total que se possui.

Risco de Mercado: existe o risco de que um portfólio perderá dinheiro simplesmente porque o mercado cai. O Beta mede quando uma ação em particular vai cair ou subir em relação ao mercado. Em mercados de baixa, você deve procurar por ações com beta menor que 1, o que significa que o seu papel tende a cair menos que o mercado. Entretanto, num mercado de alta você deve procurar ações com betas maiores que 1, para superar a performance do mercado.

Risco dos juros: quão dramático seria o impacto em seu investimento se houvesse uma substancial mudança nas taxas de juros? Prever mudanças nas taxas de juros é tão difícil quanto acertar os movimentos diários do mercado. Para reduzir esse risco, o ideal é diversificar o portifólio, com títulos de diferente maturação e características.

Risco Monetário: as mudanças cambiais podem afetar o valor de mercado de muitos investimentos. Embora de difícil quantificação, o risco monetário pode ser reduzido aplicando em ativos ou companhia que possuem hedge (proteção) de sua exposição cambial. Empresas exportadoras são um exemplo disso.

Risco Estrutural: derivativos arriscados, tais como futuros e opções podem afetar o valor do ativo principal. Esse tipo de risco é um problema que deve ser eliminado durante os dias de pânico, mantendo-se distante de tal tipo de negócio. As chances de retornos exorbitantes podem acontecer, mas mudanças dos preços nos mercado futuros podem levar muitos investidores à ruína.

Risco de Reinvestimento: este risco possui dois lados. Qual é a chance de que um investimento seja vendido antes de sua maturação e, consequentemente, quão atrativas são as opções para reinvestir novamente nele logo após sua venda? Esse risco não pode ser eliminado, assim como é impossível prever como estará o mercado após a venda de um título. O ideal é possuir títulos ou papéis com diferentes níveis de maturação, para que não sejam negociados ao mesmo tempo.

Risco Regulatório: quais são as chances do governo mudar as regras de operações nos negócios? Quanto mais uma mudança nas regras e leis afetar a competitividade e lucratividade de uma indústria ou companhia, menos peso em seu portfólio deve ser mantido nesses negócios. Não se conhece nada capaz de aniquilar um negócio de sucesso mais rápido do que uma mudança na política do governo. Para reduzir o risco deve-se procurar companhias com menos influência do governo sobre seus negócios.

Enfim, os vários tipos de riscos servem de parâmetro para analisar um investimento, sendo indicadores decisivos para que seu portifólio obtenha sucesso.

Dúvidas sobre algum termo ou expressão? Consulte nosso dicionário:

Procurar:

Topo


Página anterior

Indique esta página

Versão para impressão